Menu fechado

Na Paraíba a ciência floresce no sertão

Laboratório da Universidade Federal da Paraíba: a pesquisadora Fabíola Nunes descobriu como combater o mosquito da dengue com uma receita do sertão (Raíssa Helena/Ascom UFPB/Divulgação)

Nos laboratórios do Centro de Biotecnologia da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, a veterinária Fabíola da Cruz Nunes mais seis pesquisadores tentavam transformar uma receita caseira, popular no sertão nordestino, em ciência de ponta. O ano era 2012 e a cientista estudava o suco de folhas de sisal, planta do semiárido cujas fibras são usadas em cordas e tecidos. O suco, quando aplicado na pele do gado, matava os carrapatos.

A ideia era entender a ação do inseticida natural e testá-lo no combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya — só no primeiro semestre deste ano foram registrados 414 mortes e mais de 1 milhão de casos de dengue no país. Ao longo dos últimos sete anos, Fabíola descobriu que o suco de sisal é capaz de aniquilar o mosquito Aedes desde o ovo até a fase adulta.

A pesquisa, que recebeu apenas 30.000 reais de um programa de financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, gerou dois pedidos de patente depositados no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). “Foi um tiro no escuro que deu certo. Estamos tentando agora usar o suco de sisal em forma de pó para aplicá-lo em caixas d’água, pneus e vasos, lugares onde o mosquito se multiplica”, diz Fabíola. Ela estima que o produto esteja pronto em um ano — atualmente, passa por testes toxicológicos. Falta uma empresa interessada em fabricar o inseticida de sisal.

A veterinária carioca, que já foi pesquisadora da universidade americana Cornell, é uma entre os 50 cientistas atuantes em inovação na Universidade Federal da Paraíba. Nos últimos três anos, mais de 200 pedidos de patentes foram depositados por pesquisadores da instituição.

Apenas em 2018, houve pedido de 92 registros, número recorde que pode levar a Federal da Paraíba ao topo da lista de pedidos de patentes de inovação do Inpi caso o ritmo de solicitações de outras universidades públicas tenha se mantido (em 2017, a líder nacional era a Universidade Estadual de Campinas, com 77 pedidos). O ranking de 2018 do Inpi ainda não foi finalizado, mas os números preliminares mostram que a Paraíba poderá ocupar não apenas o primeiro lugar mas o segundo também.

Em Campina Grande — cidade que fica a 133 quilômetros de João Pessoa,  com 407.000 habitantes, conhecida por ser um centro industrial e ter “a maior festa de São João do mundo” —, outra instituição tem produzido inovação. Pelos cálculos da universidade federal dessa cidade, 83 patentes foram solicitadas por 35 pesquisadores locais em 2018.

Desde que ganhou identidade própria em 2002 — antes fazia parte da Federal da Paraíba —, a Universidade de Campina Grande já depositou 236 registros de inovação. “Ainda que seja um estado pequeno e periférico, a Paraíba está se transformando em um polo de inovação”, diz Mauricio Pazini Brandão, secretário Nacional de Tecnologias Avançadas do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

No ranking global de inovação, o Brasil deixa muito a desejar, ocupando a 66aposição entre 129 países. No entanto, avançamos no depósito de patentes: estamos em 11o lugar entre 155 nações. Mas como a Paraíba, um estado que está entre os mais pobres do país — com PIB per capita de 14.774 reais, menos da metade da média nacional — e tem índices de desenvolvimento humano entre os piores, consegue se destacar no cenário da produção científica?

A resposta está em políticas pragmáticas criadas nos últimos anos nas universidades paraibanas para ampliar a cultura de proteção à propriedade intelectual. Em 2013, a Federal da Paraíba, que tem 32.000 alunos de graduação e pós-graduação, criou uma agência, a Inova-UFPB, que analisa o potencial inovador de uma tecnologia e sua viabilidade econômica, além de conferir se as pesquisas seguem as normas técnicas do Inpi.

O processo preliminar dura uns 20 dias, mas a concessão oficial da patente pode levar até dez anos — há uma fila de 244.000 pedidos em análise no órgão federal. Por causa da demora, desde a criação da agência 225 patentes foram depositadas pela Federal da Paraíba e apenas duas foram definitivamente concedidas, ainda que a proteção da propriedade intelectual tenha efeito desde o início do processo.

A Inova-UFPB também tem atuado na motivação dos pesquisadores. Antes da agência, os professores desenvolviam pesquisas acadêmicas mirando apenas a publicação dos resultados em periódicos científicos, algo que rende pontos para a progressão na carreira universitária, ou seja, impacta o salário no longo prazo.

Já uma patente só traz ganho se virar um produto comercial. “Um professor que só vai à universidade para dar aula e outro que desenvolve um produto inovador ganham o mesmo salário”, diz o biotecnólogo Valdir Braga, da Federal da Paraíba. Ele mesmo já solicitou oito registros, um deles de um remédio para redução da pressão arterial, desenvolvido em parceria com o Instituto Karolinska, da Suécia.

Fazer parcerias além dos muros da instituição também tem ajudado a promover a inovação na Paraíba. De 2013 a 2017, a Federal da Paraíba fechou 176 acordos com instituições públicas e privadas, como a Fundação Oswaldo Cruz, do Rio de Janeiro, e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, dos Estados Unidos, para o desenvolvimento de pesquisas em conjunto.

A área que mais ganhou espaço no portfólio da Inova-UFPB é a de tecnologia de alimentos e bebidas, que em 2017 foi responsável por 32 pedidos de registros. “Ter um número alto de patentes não é um objetivo por si só. A meta é ter um polo tecnológico que crie produtos”, diz Petrônio Filgueiras de Athayde Filho, presidente da Inova-UFPB.

Por ora, só 22 invenções são comercializadas. Uma das ideias para estreitar o relacionamento com o setor privado é copiar a Unicamp, uma estadual de São Paulo que atrai empresas e startups para instalar filiais no campus. A Inova-UFPB já lançou um edital de pré-incubação e pretende atrair dez empresas até 2022.

Biblioteca de universidade na China: o país acelerou a formação de pessoal e já gera por ano mais que o dobro de patentes criadas nos Estados Unidos | Jeff Greenberg/AGB Photo

São justamente os laços com a iniciativa privada que têm feito avançar a inovação científica na Universidade Federal de Campina Grande, que tem 16.000 alunos. Desde 2015, uma unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), organização social que recebe recursos federais para unir centros de pesquisa e empresas, opera na instituição. Ali foram feitos 126 projetos com 73 companhias brasileiras e multinacionais, gerando 30 milhões de reais por ano para a universidade.

“A Embrapii serve de ponte entre a universidade e a empresa. E, como não estamos presos à burocracia estatal, tudo flui mais rapidamente”, diz Jorge Guimarães, presidente da Embrapii, que mantém também uma unidade em João Pessoa. Outro grupo em Campina Grande, este ligado ao Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia da universidade, criado em 2008, reúne 300 pessoas, entre pesquisadores, desenvolvedores, professores e alunos, que criam dispositivos eletrônicos e softwares.

Em parceria com a filial americana da empresa japonesa de tecnologia Sony, por exemplo, o grupo fez um aplicativo que ajuda cientistas da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, a pesquisar curas para doenças como Alzheimer e câncer. Trata-se de uma plataforma pela qual qualquer usuário doa o poder computacional ocioso de seus dispositivos, como smartphones e tablets, ao processamento de cálculos científicos. “Temos atuado muito nas áreas de engenharia e computação, atraindo o interesse das empresas”, diz Nilton Silva, coordenador do núcleo de inovação em Campina Grande.

Fonte: exame.abril.com.br

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial